sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

EFEITO


Lanço-me a ti pela palavra...
                                                Ponte de metáforas,
                                                                          silêncio contundente da minha raiva.

Ergo os olhos,
                                                                                              alcanço paisagens...
                                                                                                                As palavras não as definem.


Caminho por sobre as nuvens,
                                                  penetro no labirinto, traçado em busca de sentidos...
Onde tenho a cabeça?
                                        Tento abrir os olhos
e vejo tua presença luminosa
                                                                       com EFEITO lusco-fusco da madrugada.


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

PÔR DO SOL

Tarde sombria....
                           Uma réstia diz que o pôr do sol
                                           está próximo...
Luto com a réstia...
                                        Peço calma, quero o amanhecer.
Ela, mais forte,
                             vence-me pelo cansaço...
                                 Rendo-me ao encanto da sua luz...

Na linha do horizonte, imponente e vermelho
                                        o sol se reflete no mar...
É um conjunto perfeito.
E eu, imperfeita que sou, teço o fio do poema
inspirada no fio da luz solar,
                      banhada pelo azul do mar.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A luxúria das palavras


 
Há em ti
palavras que fecundam os sentidos,
onde as cores
dos mares que te habitam
reproduzem braços quentes
que me concebem.

Há em ti
palavras que se abrem no regaço
e se afundam no meu sorriso
de pássaro cinzento,
colorindo as sementes
espalhadas pelos vales do teu corpo.

Há em ti
palavras que se despem
na loucura que os meus olhos restituem,
vestindo-te do vinho
que bebemos
na taça da luxúria das palavras.

Nilson Barcelli © Agosto 2011http://nimbypolis.blogspot.com/

domingo, 13 de novembro de 2011

Se Eu Te Amo A Culpa É Tua


Você enxerga o que há de melhor em mim
Me deixa lisonjeada com sua admiração
Consegue me entender e administrar minha sensibilidade
Se estou carente, você me idolatra
Se faço birra, você me mima
Se estou hesitante, você me conduz...
Então você se importa comigo
É atencioso, carinhoso, gentil e educado
Sempre despeja prudência diante de um problema
E me aborda de forma cautelosa
Sabe lidar com adversidades de forma sutil, hábil e sábia
Cuida de mim e quer ser cuidado
Perde o chão comigo
Fica afortunado com minhas proezas na tentativa de fazer parte do universo masculino
Não se afasta da minha indisposição feminina só para evitar conflitos, você me compreende e transforma a situação...
Você me surpreende
Sou melhor por ter você
Então, não me peça para não me apaixonar
Pois, se eu te amo, a culpa é tua!

(Michele Santti) - http://michelesantti.blogspot.com/

domingo, 6 de novembro de 2011

VER

É noite....
                 O sol fugiu.
A lua surgiu.
                   Tento ver, na lua o reflexo do sol.
                                                   Preciso imensamente de calor...
Talvez tua palavra.
                       Não...!
                          Não encontro nela a essência que procuro...
Na água, a lua se espelha.
Busco no espelho d'água tua imagem...
Ideias se embaralham, imagens se misturam.
                                 E eu,
                                  mais uma vez,
                    inverto-me
                      a ver
                                  para 
                         vir e
                           ver-te.

sábado, 22 de outubro de 2011

AVESSAS

Ouso acertar outro alvo...
                         temo errar.
Tento outra vez...
O erro insistente leva ao acerto.
                                   viro às "sasseva"_
aprendo a ver a vida
                                 por outro
                                     ângulo...
O mesmo caminho só me leva 
                               aonde já fui...
Há sendas...
                            as percorro, sem medo.
Encontro outra possibilidade
                                            e retorno pra dentro de mim
feliz e renovada...
Sou outra vez um rio
                                           vendo sua nascente
na tarde cinzenta de outubro...

domingo, 2 de outubro de 2011

RE-NASCER

Provo mais uma vez o fel,
veneno maldito que re-surge,
fera ferina que rasga a carne
                      dilacera a alma
turva a água límpida...
Sinto que meu corpo esmorece,
minha alma chora...
Tento esquecer...
Re-vivo momentos...
                Choco-me,
a dor volta mais forte...
Olho o céu , a beleza da lua
                           e percebo que tudo pode renascer
no ciclo da vida.
Como a fênix, eu ressurgirei das cinzas...
Serei forte como o rochedo,
brava como o javali,
quente como o sol,
delicada como a lua
                              numa noite de outubro...

terça-feira, 27 de setembro de 2011

TEIMOSIA

Fim de noite...
                 Perco-me nas lembranças
                                                     são doces e amargas
                                             alegres e tristes.
Percebo que construí um castelo de areia
                                             sobre rochedos.
                                             o vento o
                                          desfaz...
Sobre a areia,volto a construir um castelo de rochedos
                                                  a água o desfaz...
Procuro reconstruir meu castelo dentro de mim...

Mas, sinto medo que o fantasma da alma 
                                             o desfaça...
REAJO... 
                           Afugento o fantasma.
                                        Agora, é o vento gelado que me mete medo...
                                                        seu assobio me incomoda...
Talvez uma canção me salve...
                                                   encontro-a
                                                       e a paz reina
                                                   no meu pobre coração de sereia perdida,
                                                         nos mares da vida,
                                                          respirando por guelras
                                                            que " mar arável" me presenteou...
                               

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

IMPOTÊNCIA

A palavra me redime...
                  Eu a re-faço.
Essa capacidade me apraz...
                          Sinto vontade de dominá-la.
                            Não há como...
Tento outra vez...
                                 Não expresso o que penso!
O que aconteceu? (...)
                                          Uma janela se abre
é minha saída...
Ou é minha entrada?
Faço o possível para me compreender...
                        Impossível...
Nada se organiza nesse tudo que se altera,
                               que une,
                          que liberta,
                                que se torna vida
                                  no limiar da" meia-noite"...

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

VERTIGEM

Acredito ter chegado a hora...
Pego-me de novo a escrever...
Emendo palavras,
remendo frases,
caço o que não perdi...
Agora, revivo minhas origens...
Concordo com Barthes:
                        o prazer está no texto...
Tenho vertigem gozosa...
A palavra me liberta.
A verdade me oprime...
Erguem-se vozes dentro de mim...
                      Nego-lhes e
                                  saio a procura da lua
                                que me traz um sonho em extinção...

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

INSANIDADE

Minha palavra está nua...
Rasgo sua carne ao vento
dilacero seu sentido 
corto-lhe a última esperança...
Torno seu todo em átomo...

Ela se recompõe 
revida minha malvadeza insana 
dilacera minha carne
despe-me a alma...
Rendo-me a sua capacidade de refazer-se
e dançamos uma valsa ao luar,
aguardando novos duelos...

terça-feira, 23 de agosto de 2011

A QUARTA LÁGRIMA

Choro....
o doce  salgado da traição.
Meu coração lacrimeja sangue...
Meu corpo esfalecido, treme..
Eu, mais uma vez, divido-me, multiplico-me,
                                diminuo minha vontade...
Sofro a dor una e tripla...
Re-vivo outros momentos...
Quero urrar e silenciar...
Estou partida por dentro. 
A lágrima rega a plantinha frágil...
Penso naquela árvore velha e forte...
Agora, sou um rio secando...
               sou um céu sem mar...
                 sou um mar sem sol...
                    uma noite sem lua...
Penso mais uma vez na minha dor...
O poema não a traduz,
a palavra me falta...
Só há um punhal de prata, ferindo-me...
É uma dor multiplicada...
Busco o consolo da alma
                        e encontro outros momentos iguais
a esse da minha quarta lágrima, 
                                 no silêncio soturno da madrugada...

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Uivo

    É meia noite...
  O lobo uiva...
A lua cresce
Eu, louca e loba olho a lua...
Apaixonada e louca
Te quero

A lua também...
Estamos sós...
Não... Não estamos sós...
Eu, tu, a noite, a lua e o lobo...
Nos encontramos na encruzilhada...
Eu estou só...
Tu estás só...
Nos encontraremos num louco dia...
Que não será dia, nem noite.

Será nós dois,
No imenso labirinto
Do eu e do tu, numa eterna noite,
De Dalila e Sansão
Sem nunca nos encontrar...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

SOLIDÃO

Fim de tarde...
           Estou só.
Sem ti, meu corpo queima 
                 e clama.
Minha boca, sedenta,
suga a última gota de saliva...
Busco, na mente, teu olhar enebriante,
                    que me acalma
                     e aquece a alma...
És um doce veneno,
                  que me consome,
mas faz nascer no peito
a esperança do eu 
se transformar em nós...

domingo, 7 de agosto de 2011

DESCANSO

O vento bate no meu rosto,
sussurra ao meu ouvido...
Nego-me a escutar essa voz...
É uma voz alheia que me incomoda.
Reflito...
Mais uma vez nego o que penso...
Não é a minha voz,
não é a tua voz.
É uma terceira que se torna obsessão...
Comparo-me a uma criança
                       embevecida com um brinquedo...
Agora brinco com as palavras
é rima
é rumo
é ramo
é rítmo
é rota
é rito
é rio
é rua 
      é raro...
        
Esqueço o que deveria lembrar
e descanso à sombra dos mangueirais...

domingo, 24 de julho de 2011

ETERNA PROCURA

Minha palavra está nua...
Procuro, no poema, suas vestes.
Amoldo-lhe à  silhueta, não fica bem.
Busco, mais uma vez...
A veste não lhe cabe .
Ou será a cor?
Mudo o tom.
Engano-me...
Procuro no baú, reviro
há coisas velhas, misturadas às novas...
Reviro-me também.
Deparo com meu rosto inverso.
Talvez a vesta inversa, vista essa minha palavra...
Em outro poema tentarei.
Agora, resta-me o sonho da  gostosa
                               e eterna procura, 
                                      dentro e fora de mim....

segunda-feira, 18 de julho de 2011

TENTAÇÃO

Tarde fria de julho...
Minha alma está tentada...
Olho o portão aberto, mais uma vez
a tentação cresce...
Imagino meu deleite...
Uma borboleta reforça meu desejo.
Não sou santa....
Fugirei...
Pelo caminho, ficarei longe de mim...
Chegarei e amarei teu corpo...
Serei uma borboleta na flor...
Cederei aos treus encantos
e saltitarei, longamente, em ti, como um beija-flor...

domingo, 10 de julho de 2011

UM ABRAÇO?

Olho o mar...
ele se entrega aos rochedos.
Não se cansa de abraçá-los.
Essa imagem desperta em mim a saudade de um abraço.
O mar vai e volta
ensaia um novo abraço.
Eu ensaio uma palavra...
Não ouso pronunciar...
Respiro o cheiro de sal,
tomo coragem
corro para o abraço virtual de ti...

segunda-feira, 4 de julho de 2011

FRONTEIRA

Bela tarde...
              Tenho visão distanciada.
                                Estou na fronteira entre o belo e o feio.
                                 Tento não ter inclinação...
                                   impossível.
O espaço se condensa
o tempo se dilui.
                                     Sou um esqueleto nu.
                  Somente o amor me vestirá.
Procuro nas velhas lembranças,
                              restos do que sou.
Tolero-me e aquieto-me
                                com tua imagem
                     de
                         sin
                              te
                                        gra
                                     da
 fora e
              dentro
                      de
                            mim...

quinta-feira, 30 de junho de 2011

RÍTMO MALUCO A-Z

Avexado, atrevido
açude,ato,atalho
alfabeto, alvorada,
atol, atum, atrapalho.

Bom brinquedo,bem brincado,
bom batuque batucado,
bateu bem
bolão bolado.

Com canto cocão
     côco chocalhado
com coração cangaceiro
canto com 
colo caseiro.

Danço destino danado,
desenho doida do drama,
despida dona doída
dor, doce, desce, drama.

Esqueço economia,
equilíbrio, ecologia,
embolada,
energia.

Ferrolho, fé, ferrovia,
fechadura, facção,
foice,
flutuação.

Gaiato, graxa,gaiola,
greve, gume, gratidão,
grito, grude,
gestação.

Horizonte, hino, hora,
habilidade, heresia,
hiena, hélice,
histeria.

Ideário,inocente,
ironia, ilusão,
Ivo,
inovação.

Jericó,  jaraguá,
janela,
jardim,
jantar.

Lindo, luar,
lampião,
lampejo, lua,
lapão.

Mangangá,mulungu
moderado, mola, mata,
maxixe
maracatu.

Nuvem,nova,
nordestina,
nutrida,neve,
neblina.

Outono, ouro, oliva.
ovelha, original,
obrigação,
ordinal.

Palavreado, profeta,
papa, pagão,
pula, pulga,
punição.

Quenga, queijo, queimadura,
quilate, 
quilo,
quintura.

Repentista, retirante,
roça, roçado, racismo,
renegado, ritual,
roteiro, rol, realismo.

Sonho, som, semeadura,
sofrida,  sentimental,
sofre, safada, sistema,
salame, sal, social.

Tropeiro, tropa, torcida,
talismã, taça, tenor,
turbina, tenta, tempestade,
traça, troça, tom, tambor.

Usina,uivo, utópico,
uísque, urca, urubu,
urgente, ultrapassado,
uva, uivo, urutu.

Violino, violão,
viola, vidro, viagem,
visão, viúva, volante,
verso, vida, vivo, vagem.

Xaxado, xepa, xarope,
xote, xadrez,xingar,
xerife, xilografia,
xenhenhem, xodó, xará.

Zangado, zona, zangão,
zoeira, zorra, zagueiro,
zigue-zigue, zabumbá,
zero, zefa, zombeteiro.


quinta-feira, 23 de junho de 2011

DUELO

Chove...
               uma fina
chuva
          fria.
O fogo treme
a cada chuvisco,
         pisca com ferocidade.
O lancear da labareda
                            não se intimida com a chuva.
A chuva fina teima,
                      a fogueira queima.
Procuro desviar meu olhar.
Nego-me a continuar
                     vendo a chuva e o fogo
num duelo de iguais.
É preciso recolher roupas.
Agora só me interessa a fogueira
                         e sua simbologia popular...
Pela manhã, guardarei cinzas...











                             e sua simbologia popular

sábado, 18 de junho de 2011

SOU

Sou surdo,
sou som,
sou verbo,
sou carne,
sou nada,
sou tudo,
sou beta, 
sou alfa, 
sou sol, 
sou lua,
sou noite, sou dia,
sou isto,
sou aquilo,
sou anel,
sou luva,
sou céu,
sou mar.
Sou o que não pode ser,
você é o que se pode querer...

sábado, 11 de junho de 2011

DEVANEIOS

É manhã...
Estou sentada em um velho tronco.
quieta, como um animal acuado,
penso nos segredos que o tronco guarda.
Velhas árvores sabem muito,
eu seio pouco.
À sombra delas, aprenderei...
Lembrarei paixões da infância:
                                        tomar banho de chuva,
                                        olhar as saúvas,
                                      pescar piaus,
                                        caçar rolinhas,
                                      montar cavalo de pau.
Procuro, na lembrança, meu caderninho azul.
                                 O que tem escrito? 
                                   Devaneios?
Nego-me a saber.
A lembrança se dissipa,
a cabeça se estica.
                                      Agora, é o vento que me interessa.
O meu tronco é um cavalo alado...
Seguro suas crinas
                                          e volto de onde parti...

domingo, 5 de junho de 2011

...rio

O rio 
                 chora
                   rola
                          geme.
Contemplo-o,
                              ele me ignora.
                                        bravo,
                                                        segue seu curso.
                                              furiosa,
                                                                          a água ronca,
levando estaca,graveto,restos de vida...
                                                 o rio chora sua destruição
                                                        eu choro com ele
                                                     a minha solidão.
Sigo com o olhar atento
                                  a
                               água
                                            que desce
e volto outro olhar
                                         para uma dor que me entristece...
                 

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Momentos Noturnos

É noite...
Lá fora, um pequeno zunir.
Passam vozes confusas, assobios,
restos de risada...

Transporto-me para outro mundo.
Lá encontro restos do que fui...
Não me reconheço...
Sou menina, infinitamente menina
e vorazmente fera ferida.

É preciso acreditar no que sou...
Fujo, fujo para onde estou...
Sou séria e triste...

Vejo que tudo tem motivo...
Até essas lembranças inconstantes
como rios periódicos que vão
                                            e voltam,
trazendo vida e morte,
                                                                       nesta eterna contradição
                                                                 do que somos...

segunda-feira, 16 de maio de 2011

sábado, 14 de maio de 2011

DIVAGAÇÃO

                                                                               Divagação:
é o sósia em ti e o inverso em mim.
É a memória do outro
é uma máscara carmim.
É o arriscar da vida,
é o apagar da candeia,
é uma voz bem alheia.
É a fração de um segundo,
é um juízo do mundo.
É uma voz já calada,
é a palavra velada. 
É o monólogo de dois,
é sempre um dia depois.
É a voz da consciência,
é a confissão sem essência. 
É o princípio do fim,
é o eu em ti, 
é o tu em mim.
É a dissonância do múltiplo,
é o diálogo mais duplo,
é tudo e nada, enfim.






domingo, 8 de maio de 2011

RETALHOS DE PALAVRA


Já muito antes de te ver,
                        te vi
a água te batizou,
                            no meu olhar
o sal da terra te salgou,
o meu amor te consagrou.
No silêncio,
  no ócio,
no cio,
vistes o sol nascer e se pôr.
Construistes tua cabana,
                    no bosque
escutastes o rumor do vento,
                             o canto dos pássaros,
                         o murmúrio das águas.
                              Busquei
sem pedir licença
                          profanei tua pureza,
                          fiz nascer nossa fraqueza
                         no meio da fortaleza...
          
                 

domingo, 1 de maio de 2011

SAUDADE

Há um curso no rio,
                                       há uma lágrima em mim.
Não escorre externamente...
                                                       cai gota a gota no meu coração.
Enquanto o rio desse aos borbulhões.

Há um espinho no meu peito...
                                       Fere-me...
Gota a gota de sangue lacrimeja, dilacera-me a alma...
                          O rio dilacera suas margens.

Vejo pássaros noturnos...
Se tivesse que voltar, onde encontra-me-ia agora?
Á beira do rio, sinto-me perdida
neste imenso mar de solidão e saudade do que fui.

Acompanho o movimento da água
                                                                furiosa,ela leva tudo...
Até meus velhos pensamentos dessa saudade incontida...

domingo, 24 de abril de 2011

MIM

Estou impregnada do teu cheiro...
                         meu mar!
Tua imensidão azul clama 
                     meu corpo
tua beleza de mim 
                se enche
se unem se misturam
teu sal e meu mel
 eu mudo de tom
                    com teu som.
Seguimos marulhando,
                        a cada onda!
Embevecida me entrego
ao prazer...
nos  movimentos,
quero adormecer
em ti,
na doce manhã de abril... 

                     

sábado, 23 de abril de 2011

RAIO DE LUZ

Se nós pensarmos a intenção de uma palavra,
na forma de um raio de luz,
as cores, na dispersão espectral,
incidirá não só em nós, mas também
nos nossos semelhantes.
Nesse sábado de aleluia,
quero desejar aos meus leitores e seguidores
muita paz e uma páscoa de partilha e serenidade.
Que um raio de luz divino ilumine a todos nós.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

PRECE

Oh Jesus!
que viveu
que amou
que morreu.
Oh Jesus!
que vive
que ama
que liberta.
Oh Jesus!
que viverá
que amará
que libertará.
Oh Jesus! 
que está em mim
que está em ti
que está em nós,
com teu manto sagrado
à nossa morada
traz a paz tão sonhada.




terça-feira, 19 de abril de 2011

MANHÃ...

Uma cotovia
            pia,
um colibri
             quer sorrir,
um sabiá
           vem cantar.
Manhã
o sol já aparece,
a coruja emudece,
um serelepe já desce.
Manhã
a cidade se agita,
um trem longe apita,
uma janela espia.
Manhã
canto com a maracanã,
deixo cedo meu divã,
visto um casaco de lã, 
vou de ônibus
não de vam...

             

sábado, 16 de abril de 2011

Porque hoje é sábado

Porque hoje é sábado,
acordei com o sol
sorri como criança
cantei com o rouxinol.
Porque hoje é sábado,
vesti azul
caminhei descalça
colhi violetas
voei com as borboletas.
Porque hoje é sábado,
demorei-me no café
brinquei com uma colher
orei com mais fé.
Porque hoje é sábado,
vi mais verde a natureza,
do rio a correnteza,
das pessoas mais beleza.

domingo, 10 de abril de 2011

DESABAFO

Não quero mentira,
nem a ira.
Quero me indignar com a traição,
aliviar meu coração.
Quero que se dane a falsidade,
quero sair da cidade,
quero uma sombra serena,
uma palavra amena,
quero um fim belo de tarde,
um prazer que se retarde,
uma boca saborosa,
uma palavra formosa.
Pego tudo com carinho,
junto e faço o meu ninho...

sexta-feira, 8 de abril de 2011

INTERROGAÇÕES

Exatamente hoje...
                 Descobri a chave de mistérios...
Que sentidos tenho?
Por que busco respostas tão certas e tão incertas?
Sou eu... Infinitamente, buscando-me.
Encontro muros, mar, rios e lágrimas...
Há um ser que me persegue!
Ou eu persigo...?
Gostaria de fugir.
Mas, há algemas em meu coração...
Par a par,  me cortando as palavras.
Encontrar-me?
Por quais caminhos trilharei?

segunda-feira, 4 de abril de 2011

RE-VIVER É PRECISO

Reviver é preciso...
                        pra te ver, pra te ter...
Reviver é preciso...
              pra te amar
pra te abraçar
por te amar...
Reviver é preciso...
pra te querer...
sem poder
por querer...
Reviver é preciso...
pra te falar 
do teu olhar...
No meu relaxar...
Reviver é preciso...
                 por tudo e nada
que não digo...

segunda-feira, 28 de março de 2011

ESPELHO

Um espelho...
Vejo meu rosto envelhecido.
Desvio o olhar.
Percebo que não é um espelho,
mas uma grande poça e 
o céu, nela refletido, me transporta para a nuvem.
É uma bela paisagem. 
Sinto-me remoçar...
Retorno na direção primeira.
Não sou eu, é o meu outro que sorri.
Estou, infinitamente, no chão e no céu.
Sou alegre, a tristeza se dissipa no espelho de água
e eu sou outra vez
                     menina
                traquina
                             taurina, mas
                felina...

quinta-feira, 24 de março de 2011

IMPASSE

Noite...
O silêncio acompanha um momento
                          que dura horas...
O sol chegou e com ele as incertezas
                                 e o medo da realidade...
Quantos momentos passaram?   
                      Horas...

A angústia e o remorso
domina o Ser que perdeu a esperança por um momento.
Chega o choro... A lembrança constante faz secar as lágrimas...
O inferno entre o Ser e o mundo.
O impasse entre o Ser e o não ser...
Como conseguir mudar uma imagem
que se perdeu num labirinto de luzes psicodélicas?




terça-feira, 22 de março de 2011

EMOÇÃO E RAZÃO

Palavras que se unem
como dois corpos em atração...
É e pode ser...
Os dois.
Negando-se e afirmando-se
sendo um e outro no
                      eterno
                       verso avesso reverso do
                             nada...

sábado, 19 de março de 2011

ENTREGA MÚTUA

O sol beija a água.
Um beijo quente e intenso...
Suavemente, o vento lambe as ondas
e as seduz num movimento frenético..
E Eu  me envolvo nessas entregas mútuas...
Sou pouco da água e muito das ondas.
Nos deixamos levar nessa entrega mútua e sedutora.

Depois do ápice desse movimento
eu e as ondas
nos entregamos a areia,
sentindo o arrepio da pele levemente estremecida
e respingada de gotas douradas da" águasol"...

quinta-feira, 17 de março de 2011

SEM

Sem rosto
sem voz
sem ti
sem nós

                        te perdes no escuro
                           escuto outra voz...
                      Saída? Existe!
                        Embora atroz.

sexta-feira, 11 de março de 2011

LUA COR DE PRATA

A noite silenciosa e fria
reflete a lua cor de prata
nas ondas incessantes do mar.
Busco encontrar-me neste momento mágico.

O frio bate no rosto e no coração...
Um vento gelado sopra em mim e nas ondas...

Procuro rever a lua
e buscar energia para continuar a luta comigo mesma
e com tua lembrança...
Volta aquela dor...una e ao mesmo tempo múltipla...

Procuro não pensar em ti.
reorganizo a vida em segundos.
A lua cor de prata é senhora do mundo...
Amiga deste momento solitário
em que quero encontrar-me para sempre,
neste momento do poema...



terça-feira, 8 de março de 2011

SEM SENTIDO

Sinto uma mudança
              em mim...
O medo de enfrentar o futuro
                    domina-me...

Olho para dentro e para fora de mim...
As imagens não parecem as mesmas,
os fatos parecem distantes.

Tudo sem sentido,
nada com sentido.

Você não é o mesmo.
Eu não sou a mesma.
Somos dois em um
numa eterna girândola,
sem nos encontrar.

Quero outra parte que não tive,
quero tudo e nada no túnel do tempo
                                    inexistente em mim...


sexta-feira, 4 de março de 2011

REFLEXÕES DE FIM DE TARDE

É tarde. Um fio de sol entra pela fresta da janela...
Ilumina meu rosto no espelho.
O outro eu me encara.
Perturbo-me...
O meu olhar questionador inquire-me...
Por que sou submissa?
Procuro não ouvir a pergunta...
Olho o lado opaco do espelho.
Aqui, eu não me vejo,
não me questiono,
não respondo a nada...
Uma canção ecoa nos meus ouvidos
E uma agitada serenidade me diz que é carnaval...

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Presentes dos blogs Ventos na Primavera http://ventosnaprimavera.blogspot.com/

Agradeço imensamente  os presentinhos.

FIO DE MIM

Olho para fora de mim...
Não consigo enxergar-me.
Uma leve neblina esconde-me...
Giro a cabeça.
Rodopio sem sair do lugar...
Vejo um casulo...
Sou eu quem está lá.
Tento quebrá-lo,
não tenho forças...
Estou presa a um fio de teia...
Sou fio de mim.
Confundo-me...
Brigo comigo...
Saio da neblina.
O casulo está preso,
uso a força da mente...
A teia me puxa...
                      Quebro-a.
Deslizo para dentro de mim...
Encontro fantasmas.
Espanto-os com um  urro de loba ferida
                                e adormeço ébria de mim...

sábado, 26 de fevereiro de 2011

RETRIBUIÇÃO

Iluminado, cheio de emoção,
só sensibilidade tem teu coração.
Difícil é  crer que um dia
escrevi tanto sobre tantos prantos
sem saber, no entanto, 
que um leitor havia
para esse verso que me consumia...

Retribuo em verso
o teu belo gesto
de um outro verso
que veio a navegar
e um humilde verso 
vem apreciar.

Entendo agora
que nossos puros versos
podem sem poder
num rio deslizar
e em uma rede
pode se encontrar.


(Para o centésimo seguidor deste blog)

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

MANHÃ

Horas frias de orvalho.
Desponta a manhã...
O pensamento não desponta porque é "alerta".
Pequenos barulhos...
O zunir de bicho qualquer.
Oh! momentos matinais que trazem à tona tua lembrança...
Se fosse Azul deixaria de ser... Eu...
Vontade buscada, conhecimento buscado, vontades  insatisfeitas!...

A semente da bondade ainda não floresceu...
A manhã prevê o fim da tarde sombrio...
Como poderá ser a noite?
Entre as sombras da árvore tua presença esguia.
Passas na fumaça noturna e te perdes...
No sêmen da flor que busca a bondade...
Tua ideia, tua ação, perdão e Revolução.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

CUMPLICIDADE

Eu vim,
Tu viestes.
Carregado e leve...
Teu olhar mudo e
                         expressivo diz
o que teus lábios jamais dirão.

Pintamos os nossos "destinos"
como queríamos que fossem.
Mas as cores...
As cores são outras.
Entendi tua sensibilidade,
tu entendestes a minha...
E agora que alma temos?
Se dissemos tudo
faltou dizermos nada...

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A NENHUM DE NÓS

Saio a procura de mim...
Busco-me e busco-te...
Pareces outra parte que
                                   perdeu-se...

Talvez nunca a tenha encontrado...
Estou invertida.
Sou infinitamente
                     simetria...
Multiplico-me e 
               vejo tua mutação multiplicada.
  (...)

Quero pôr minha cabeça
                                     em ordem...
Quero reencontrar-me e
                                encontrar-te
num beijo longo e louco
ou numa conversa
efêmera e marcante
                   para nós...

sábado, 12 de fevereiro de 2011

VASO

Sinto-me um vaso quebrado.
Uma parte de mim está 
                             desintegrada...
A outra parte junta os cacos
                 que restaram...
É uma parte tão fundamental!...
Parece-me... O coração! Mas, como integrar-me se me falta VOCÊ?...
Inteiro e meu...

Sou possessa.
Não sei se defeito ou virtude,
mas, só te quero meu...
Divido-me entre o amor e o ódio
                o querer e o não querer...
Quero unir coisas avessas, nas duas partes desse vaso
que tenta ser uno e único
em dois seres que somos...

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

SEM RUMO

Não há mágoa,
nem água.
Pedras e abismos surgem...
Eu me perco na imagem de espelhos
que me refletem momentos diversos.
Momentos de versos sem nexo...

Estou abaixo da linha da compreensão.
Sou toda pó, cinza, poeira no chão...
Se venho do pó, com o pó, nesse momento, me identifico...
Quero me re-compor... ressurgir.
Busco valores que se perderam no tempo...
Ganhei e infinitamente perdi...
Perdi meu rumo, meu prumo...
Tive vontade de morrer e também de viver...
Tudo se mistura.
Os avessos se confundem, os sentidos se misturam.
As sensações e os sentimentos gritam.
Sou, neste momento, infinitamente tudo,
dentro do espaço perdido do nada...

domingo, 6 de fevereiro de 2011

MARULHO


O som das águas me embriaga.
Sinto na pele o sal.
Tem gosto de lágrima...
Meus pés sentem a areia, 
meu peito sente a saudade.
Meus olhos marejam...
mais um gole dessa água é suficiente 
para tornar-me totalmente ébria.
Mas estou sóbria e sombria.
Fujo dos pensamentos...
Adentro o olhar à imensidão
e meus pensamentos vagueiam
e eu me deixo navegar
no marulho infinito azul
                   do fim de tarde...


terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Curiosidade?

Recebi essa curiosidade por e-mail e fiquei intrigada. Quero compartilhar e ver se alguém tem uma explicação.
Quem souber explicar me diga...  Este ano vamos experimentar quatro datas incomuns .... 1/1/11;  1/11/11; 11/1/11; 11/11/11 e TEM MAIS !!! Pegue os últimos 2 dígitos do ano em que você nasceu mais a idade que  você vai ter este ano e a sua soma será igual a 111 para todos!  ALGUEM EXPLICA O QUE É ISSO ????

(PA) LAVRA

Sinto que vou sufocar...
É preciso, urgentemente, escrever...
Cada palavra buscada, desaparece.
Some do eito,
queima meu peito,
não se deixa expressar.
Quero-te! Vem! Me atordoa!
Me faz rodopiar ao vento...
Não maltrata a criatura...
Brilha como o sol...
Tira a peia que te prende
e triunfa em um belo verso, avesso dos teus sentidos...