domingo, 24 de julho de 2011

ETERNA PROCURA

Minha palavra está nua...
Procuro, no poema, suas vestes.
Amoldo-lhe à  silhueta, não fica bem.
Busco, mais uma vez...
A veste não lhe cabe .
Ou será a cor?
Mudo o tom.
Engano-me...
Procuro no baú, reviro
há coisas velhas, misturadas às novas...
Reviro-me também.
Deparo com meu rosto inverso.
Talvez a vesta inversa, vista essa minha palavra...
Em outro poema tentarei.
Agora, resta-me o sonho da  gostosa
                               e eterna procura, 
                                      dentro e fora de mim....

12 comentários:

  1. Bom dia...vivo em eterna procura de mim e o dia que encontrar=me talvez passe a viver feliz...bjin e bom domingo pra ti

    ResponderExcluir
  2. Tudo muito interessante por aqui,
    Gostei muito mesmo.
    E te convido para conhecer meu espaço, caso queira dar uma olhada, seguir..;

    http://www.bolgdoano.blogspot.com/

    Muito Obrigada, desde já.

    ResponderExcluir
  3. na palavra por vezes nos encontramos..
    seja na nossa ou na de outrem..
    lindo Marluce..
    beijos..

    ResponderExcluir
  4. Nossa procura é eterna sim. TOmara que seja sempre, senão tudo perde a graça. Há que sempre ficar um gostinho de quero mais. Beijos,Marluce.Lindo.

    ResponderExcluir
  5. 'e eterna procura,'
    --------
    Muitas vezes procuramos o que já possuímos.
    ---------
    Felicidades
    Manuel

    ResponderExcluir
  6. Marluce,

    A vida é uma busca permanente!
    Lindo o teu poema...

    Beijos!
    AL

    ResponderExcluir
  7. Bom dia, Marluce!

    Cada dia é uma nova história que escrevemos no livro da vida...

    “…Se tens algo a pedir para Deus, que seja o amor, que é o instrumento divino de transformação verdadeira. Não tenha medo de amar, de recomeçar, de transformar, afinal de contas, tudo começa com um gesto, com uma atitude, com um desejo e eu desejo que você realmente seja feliz.”

    Um abraço super carinhoso

    Deus seja sempre a tua fortaleza!

    Yehi Or

    ResponderExcluir
  8. É esta eterna procura que nos fascina, afinal somos seres mutantes e dependentes das circunstância, mas não escravos .Belo texto.

    ResponderExcluir
  9. A procura das vestes adequadas para a palavra dá muito trabalho. Para além da criação do modelo, é necessário que se goste dele com o olhar...
    Mas tu conseguiste esse efeito neste poema, porque é magnífico.
    Querida amiga Marluce, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. E continuamos nessa eterna busca...

    bjinhus

    ResponderExcluir
  11. Adorei o espaço.
    Já estou seguindo.

    Te convido para conhecer o Blog

    Michele Santti
    http://michelesantti.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Belo poema sobre o exercício da escrita... esse doce sofrer!

    ResponderExcluir

Oi pessoal, adoro visitar blogs e comentar. Agradeço, imensamente, a sua visita e o seu comentário. Sempre que for possível retribuirei.