terça-feira, 16 de novembro de 2010

A UMA NOITE

Estremeço ao roçar do teu corpo...
Todo teu ser gustativo em mim...
levas-me por caminhos indiscritíveis.


Teu silêncio me atordoa...
Roço meus dedos em teu corpo...
Não reages.
Estás frio, distante, inatingível...
Desisto e durmo como nunca mais o fiz.


Desperto e te vejo ali,
quase a fugir...
Sem uma palavra te vás.
Tenho vontade de amar...
Busco palavras nos outros...
Na verdade, queria mesmo as tuas
que se perderam no caminho...


Melhor esquecer...
Fazer de ti uma daquelas miragens.
Não cáqui, nem azul, talvez cinza...
Lembrando teu último carnaval distante.

4 comentários:

  1. Muito linda suas palavras :)
    Voce escreve muito beem !

    http://akireteixeira.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. OIEE ADOREI AQUI!!SE PUDER ENTRA NO MEU BLOG
    E SE GOSTAR SEGUE?BJSS http://kamilly-kazinha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu, particularmente tenho apenas elogios as tuas palavras tão bem escolhidas e colocadas. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. As tuas palavras, são sempre um alento.

    ResponderExcluir

Oi pessoal, adoro visitar blogs e comentar. Agradeço, imensamente, a sua visita e o seu comentário. Sempre que for possível retribuirei.